Faça login na sua conta!

Ainda não tem uma conta? Cadastre-se agora mesmo!

Mega Colunistas

Colunistas

Senado Aprova Pec Relatada Por Anastasia Que Proíbe Tributação De Vacinas Contra Covid-19

Publicado em 08/04/2021 - 17:53 Por Antonio Anastasia
destaque
Créditos da imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado
O Plenário do Senado Federal aprovou por unanimidade, nesta quinta-feira (08/04), a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 4/2021) relatada pelo senador Antonio Anastasia que proíbe a tributação de vacinas contra a Covid-19 e para insumos destinados à sua produção durante os próximos 3 anos. O substitutivo aprovado apresentado por Anastasia insere novo dispositivo no art. 150 da Constituição Federal vedando à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios instituir tributos sobre a produção, a importação, o armazenamento, a comercialização, o transporte e qualquer serviço vinculado à aplicação de vacinas para medicina humana e aos insumos destinados a sua produção, quando se relacionarem à imunização de doença objeto de estado de emergência em saúde pública de importância nacional reconhecido pelo Poder Executivo Federal durante o prazo de 3 anos.

Segundo Anastasia, a proposta é oportuna e meritória, uma vez que a imunidade tributária tornará as vacinas mais acessíveis e diminuirá os gastos públicos com o serviço de saúde. Ele destaca que a medida será um meio eficiente para enfrentamento da crise sanitária, o que possibilitará condições para retomada mais célere da atividade econômica no País.

“O que mais necessitamos hoje no Brasil é acelerar a produção de vacinas e torná-las o quanto antes acessível a toda a população. Não é momento de buscar arrecadar recursos para os Governos tributando um produto que pode salvar a vida de milhões de brasileiros. Pelo contrário, a hora é de utilizarmos de todas as ferramentas possíveis e necessárias para que tenhamos mais e mais pessoas imunizadas. Essa proposta é um incentivo importante nesse sentido, diminuindo os custos de produção, importação, comercialização e transporte com a isenção de impostos”, destaca Anastasia. 

A matéria foi apresentada pelo senador Otto Alencar e baseada na ideia do senador Major Olímpio, falecido em março em função de complicações causadas pela Covid-19. No substitutivo apresentado, além de manter o mérito da proposta inicial, Anastasia propôs a modificação no texto permanente da Constituição e não nos Atos das Disposições Constitucionais Transitórias para que a imunidade possa valer tanto para esta pandemia, como para situações futuras em que seja reconhecido estado de emergência em saúde pública de importância nacional. O substitutivo também estende a imunidade para importações e inclui a isenção de tributos dos insumos destinados à cadeia produtiva das vacinas, um dos grandes desafios para as entidades que estão trabalhando na produção em território brasileiro.

Hoje, nas operações internas, a tributação direta sobre as vacinas pode envolver o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) e o Imposto sobre Serviços (ISS). Em regra, só as alíquotas internas de ICMS incidentes sobre medicamentos e vacinas, variam entre 12 a 19%. Quanto à importação, as vacinas destinadas a uso humano estão sujeitas à cobrança de Imposto sobre Importação (I.I.), IPI, ICMS, Contribuição para o PIS/Pasep-Importação e Cofins-Importação.

A PEC segue agora para análise da Câmara dos Deputados.