Faça login na sua conta!

Ainda não tem uma conta? Cadastre-se agora mesmo!

Mega Colunistas

Colunistas

Usuários de aplicativos de delivery devem se atentar ao golpe da maquininha de cartão

Publicado em 20/09/2021 - 09:31 Por Marco Antonio Rodrigues de Oliveira
destaque
Créditos da imagem: jcomp no Freepik

As compras de comida via aplicativos de delivery já eram populares, e se tornaram ainda mais com a pandemia. No entanto, junto com o aumento nos pedidos veio também o aumento de golpes, como o golpe da maquininha de cartão, que por passar despercebido na hora de sua execução já fez com facilidade diversas vítimas.

De acordo com dados divulgados pelo Procon-SP, o número de reclamações desse tipo de crime cresceu 160% em 2021, se comparado ao ano de 2020. De acordo com a Secretaria de Justiça e Segurança Pública de Minas Gerais (Sejusp), o crime de estelionato – de um modo geral – cresceu 30% neste ano.

O golpe acontece durante o pagamento realizado com a maquininha, no endereço de entrega do cliente, que pode já ter realizado o pagamento direto no app. Muitas vezes um falso entregador então, com os dados do entregador original, recolhe o pedido no estabelecimento e o entrega na casa na vítima. Lá ele alega um falso problema com o pagamento: ele pode afirmar que o pagamento não foi contabilizado, ou mesmo que há uma taxa extra a ser paga. Se oferecendo para coletar o valor pendente no cartão, o golpista digita um valor muito maior na maquininha, que está com o visor danificado, impedindo que o cliente veja o quanto está sendo pago. Geralmente, o entregador não irá tirar o capacete durante esse processo, dificultando sua identificação pela vítima.

Em outra forma de execução do golpe, o primeiro contato com o golpista pode acontecer ainda dentro do aplicativo. Invadindo o app – ou entrando caso ele seja de fato um entregador cadastrado - ele entra em contato com a vítima, alegando um imprevisto. Ele pode aqui, pedir o telefone pessoal do cliente e entrar em contato – com a ajuda de uma pessoa que se passa por gerente - explicando que será preciso recolher uma taxa extra de baixo valor. A partir daqui, a fraude se desenrola da mesma forma.

Só após a cobrança é que o consumidor se dá conta do ocorrido. Quem recebe notificações direto do aplicativo do cartão já consegue ver de forma instantânea o valor exorbitante que foi cobrado. Com a promessa de pagar apenas uma taxa de aproximadamente 3 reais, muitas pessoas chegam a ter 3.000 reais cobrados pela maquininha, ou mesmo mais como ocorreu com a modelo Yasmin Brunet, que teve 7.900 reais roubados.

Para se proteger, é essencial que o cliente tome algumas precauções. A primeira delas, é desconfiar da solicitação de um contato fora do aplicativo, como por telefone. A outra, é também desconfiar de taxas extras, já que o valor definido pelo app é o valor total, já considerando possíveis taxas de entrega. Por fim, é indispensável não confiar em maquininhas com o visor quebrado, mesmo que o golpista mostre o valor da cobrança em um celular, ligado à maquininha, além de dar preferência ao pagamento on-line.

Para as vítimas desse crime, é indicado que se realize um boletim de ocorrência (BO), que pode ser realizado em uma das delegacias da Polícia Militar (190). A vítima deve também comunicar a fraude à plataforma que deverá reembolsá-la do valor perdido.

As principais empresas de delivery de comida também indicam que o BO seja realizado e que haja o contato com a plataformas para o reembolso, para averiguação da situação, e para que o entregador seja identificado e banido dos sistemas.

Tags: delivery, golpe, maquininha de cartão
 Marco Antonio Rodrigues de Oliveira Marco Antonio Rodrigues de Oliveira
Segurança E Cidadania

O Coronel Marco Antonio Rodrigues de Oliveira, natural de Juiz de Fora MG, ingressou na Academia de Polícia Militar em 1991 como cadete e encerrou sua carreira em 2021 como comandante do 2º BPM. É filho de Policial Militar, o qual o inspirou para entrar na carreira. Nesses 30 anos dedicados a PMMG, exerceu funções em seis cidades diferentes: Belo Horizonte, Juiz De Fora, Ubá, Matias Barbosa, Ribeirão das Neves e Betim. Trabalhou em diversas funções administrativas e operacionais, além de ter recebido diversas honrarias pelos diversos serviços prestados, dentre elas a Medalha Alferes Tiradentes, maior honraria da PMMG. O amor pela área de segurança pública sempre fará parte de sua vida, assim, com o propósito de ajudar a quem precisa, Cel Marco vê uma oportunidade de transportar um pouco do seu universo para cá, trazendo informações relevantes que relacionam com a área para seus leitores.

Leia também: Importunação sexual é crime e deve ser combatido