Faça login na sua conta!

Ainda não tem uma conta? Cadastre-se agora mesmo!

Mega Colunistas

Colunistas

Novo golpe invade contas e faz vítimas no Instagram

Publicado em 21/12/2021 - 09:14 Por Marco Antonio Rodrigues de Oliveira
destaque
Créditos da imagem: Divulgação internet

Usuários de redes sociais devem ficar atentos a um novo golpe, que tem crescido e afetado diversas pessoas no país. O crime tem início no Instagram, quando um perfil falso que se passa por determinada empresa real manda uma mensagem privada para um usuário da plataforma, apresentando uma promoção imperdível de desconto em um produto ou serviço. A partir daí, a falsa conta informa que precisa do número do celular da vítima, que ao passar, recebe em seu aparelho um link para acessar e redefinir a senha. Os golpistas então solicitam o link, que o usuário sem saber do que se trata, envia para os criminosos, permitindo que eles acessem a sua conta.

Com livre acesso a conta da vítima, eles mudam a senha e o e-mail de segurança, e em seguida, publicam anúncios de produtos, como eletrodomésticos, se passando pelo dono do perfil. Os preços dos supostos itens são atrativos, e as justificativas utilizadas para vender de forma barata são dadas aos interessados no chat. Lá, os golpistas informam que a pessoa que está vendendo os produtos está com pressa para se mudar, e que a compra deve acontecer da forma mais rápida e via Pix, como garantia.

Alguns seguidores do perfil, pensando então que se trata de uma venda real e confiável, transferem o dinheiro para a conta dos criminosos. Enquanto isso, eles fazem novas vítimas, solicitando códigos de acesso para amigos do dono original do perfil, e invadindo novas contas e repetindo o golpe do início e assim sucessivamente.

Para evitar ter a conta invadida, os usuários do Instagram podem tomar alguns cuidados essenciais e que fazem a diferença na proteção do perfil. O primeiro passo é sempre desconfiar de abordagens via direct, principalmente se vierem em conjunto com propostas tentadoras de descontos ou de brindes. Em seguida, é preciso verificar se a conta da empresa em questão com quem está se comunicando na rede é real ou falsa, conferindo sempre o nome de usuário e todas as publicações, além do selo de verificação (se houver).

Outra recomendação importante a ser destacada é a de nunca enviar o telefone celular, informações pessoais, ou clicar em links suspeitos. Também nunca se deve enviar links de redefinição de senha ou códigos do aplicativo para ninguém.

Os usuários podem ainda nas configurações da plataforma ativar a verificação em duas etapas, que garante uma barreira a mais na tentativa de login.

Para aqueles que visualizarem na rede propostas de vendas de produtos por preços muito baixos, é essencial a verificação se é mesmo o dono do perfil quem está divulgando as ofertas. Já para quem levou um golpe, é indispensável registrar um boletim de ocorrência, que pode ser realizado em alguma delegacia da Polícia Militar (190).

Tags: redes sociais, instagram, golpe, golpes
 Marco Antonio Rodrigues de Oliveira Marco Antonio Rodrigues de Oliveira
Segurança E Cidadania

O Coronel Marco Antonio Rodrigues de Oliveira, natural de Juiz de Fora MG, ingressou na Academia de Polícia Militar em 1991 como cadete e encerrou sua carreira em 2021 como comandante do 2º BPM. É filho de Policial Militar, o qual o inspirou para entrar na carreira. Nesses 30 anos dedicados a PMMG, exerceu funções em seis cidades diferentes: Belo Horizonte, Juiz De Fora, Ubá, Matias Barbosa, Ribeirão das Neves e Betim. Trabalhou em diversas funções administrativas e operacionais, além de ter recebido diversas honrarias pelos diversos serviços prestados, dentre elas a Medalha Alferes Tiradentes, maior honraria da PMMG. O amor pela área de segurança pública sempre fará parte de sua vida, assim, com o propósito de ajudar a quem precisa, Cel Marco vê uma oportunidade de transportar um pouco do seu universo para cá, trazendo informações relevantes que relacionam com a área para seus leitores.

Leia também: Incidência de crimes violentos em Juiz de Fora cai 46,26% em dez anos