Faça login na sua conta!

Ainda não tem uma conta? Cadastre-se agora mesmo!

Mega Colunistas

Colunistas

Delivery criminoso: como drones são usados para levar drogas e celulares para dentro das prisões

Publicado em 28/12/2021 - 21:20 Por Marco Antonio Rodrigues de Oliveira
destaque
Créditos da imagem: Polícia Civil

Com a pandemia causada pelo Coronavírus, as visitas nas prisões sofreram alterações e com isso, os presos passaram a contar com outro tipo de entrega ilegal dentro dos presídios: utilizando drones. No último mês, na cidade de Porto Alegre no Rio Grande do Sul, a polícia interceptou uma entrega que aconteceria na cadeia pública do município. Seriam entregues por meio de drones, cocaína, crack, canivetes, perfume, celulares e 30 mil em dinheiro. A polícia também apreendeu os drones que seriam utilizados, entre eles um no valor de cerca de 100 mil reais. Foram presas 6 pessoas que participavam do crime.

A polícia visa cada vez mais desarticular tais ações criminosas, que geralmente acontecem de duas maneiras: ou o pacote desce amarrado por uma corda até o presídio, e de lá o receptor puxa o conteúdo com um gancho, ou o pacote é solto no pátio do presídio, onde o prisioneiro já espera pela encomenda. Muitas dessas ações acontecem com o drone sendo controlado de locais próximos das prisões, e no período da noite.

O estado de Minas Gerais pretende garantir um equipamento já utilizado em São Paulo e que corta a comunicação do drone com o operador. Com o equipamento é possível manter o drone suspeito no ar até que acabe a bateria, forçar um pouso próximo aos policiais, ou mesmo voltar para seu local de origem e revelar seu controlador.

O presidente da Associação Brasileira de Multirrotores, Lincoln Kadota, destacou em entrevista ao Fantástico que os drones contam com uma espécie de caixa preta. Com ela, é possível saber as rotas já realizadas com o drone, as altitudes e demais informações sobre o histórico dos voos.

Outro ponto destacado na reportagem foi a alteração pela qual passam os drones utilizados pelos bandidos. Os drones saem das fábricas com limite de altitude, no entanto, são modificados em fábricas clandestinas que alteram as especificações originais. Os criminosos cada vez mais tentam burlar a vigilância policial, no entanto, diversas ações têm sido realizadas a fim de interceptar o maior número possível de drones.

Para denúncias sobre a utilização ou armazenamento de drones ligados ao crime, é possível ligar par o 181, ou contatar a Polícia Militar (190).

;

Tags: drones, delivery, crime, droga, drogas
 Marco Antonio Rodrigues de Oliveira Marco Antonio Rodrigues de Oliveira
Segurança E Cidadania

O Coronel Marco Antonio Rodrigues de Oliveira, natural de Juiz de Fora MG, ingressou na Academia de Polícia Militar em 1991 como cadete e encerrou sua carreira em 2021 como comandante do 2º BPM. É filho de Policial Militar, o qual o inspirou para entrar na carreira. Nesses 30 anos dedicados a PMMG, exerceu funções em seis cidades diferentes: Belo Horizonte, Juiz De Fora, Ubá, Matias Barbosa, Ribeirão das Neves e Betim. Trabalhou em diversas funções administrativas e operacionais, além de ter recebido diversas honrarias pelos diversos serviços prestados, dentre elas a Medalha Alferes Tiradentes, maior honraria da PMMG. O amor pela área de segurança pública sempre fará parte de sua vida, assim, com o propósito de ajudar a quem precisa, Cel Marco vê uma oportunidade de transportar um pouco do seu universo para cá, trazendo informações relevantes que relacionam com a área para seus leitores.

Leia também: Incidência de crimes violentos em Juiz de Fora cai 46,26% em dez anos