Faça login na sua conta!

Ainda não tem uma conta? Cadastre-se agora mesmo!

Mega Colunistas

Colunistas

Entrevista Com Celso Athayde (Cufa): "Com A Favela Bem, Toda A Sociedade Vai Estar Bem"

Publicado em 15/02/2021 - 12:56 Por Rogério Nery - Artigo editado em 15/02/2021 - 12:57
destaque
Créditos da imagem: Divulgação/Cufa
Fundador da Central Única das Favelas (CUFA), Celso Athayde é uma referência quando o assunto é empreendedorismo social no Brasil. Nascido na Baixada Fluminense, ele viveu em favelas e conhece como poucos não só as mazelas, mas também o potencial desses espaços, onde estima-se que vivam mais de 13,6 milhões de pessoas.

Eleito o Homem do Ano na categoria Responsabilidade Social do Men of The Year da revista GQ Brasil, ele é também o criador e CEO da Favela Holding, que já ocupa direta ou indiretamente mais de 18 mil pessoas e que teve faturamento estimado em R$ 40 milhões em 2020.

“A favela é território de potência”, diz ele, que também é um dos fundadores do Data Favela, instituto de pesquisas que em levantamento recente estimou que as pessoas que vivem nessas comunidades movimentam mais de R$ 119 bilhões.

Inquieto, Athayde vem mostrando ao mundo empresarial um lado menos estigmatizado das favelas e já fechou parceria com gigantes como Uber e Ambev. “Com a favela bem, toda a sociedade vai estar bem”, afirma ele, que já falou sobre o assunto também em palestras em universidades como London School of Economics, Harvard e MIT.

Acostumado a enfrentar as adversidades, quando se viu diante da pandemia de Covid-19, Athayde botou em curso ações para ajudar os moradores das favelas. Através da CUFA, ajudou a desenvolver ações para levar alimentos e produtos de higiene para milhões de pessoas e focou nas mulheres, com o programa “Mães da Favela”, que deu bolsas para mães sozinhas e, ainda, um projeto que levou internet de graça para essas mulheres.

Pelas iniciativas, recebeu o Prêmio Empreendedor Social do Ano, realizado pelo jornal Folha de São Paulo em parceria com a Fundação Schwab.

“É impressionante a qualidade, o conhecimento e a profundidade do trabalho desenvolvido pelo Celso Athayde. O Favela Holding é uma ideia genial, ao criar uma iniciativa em que os negócios são focados em formar, capacitar e gerar renda nas comunidades e com os moradores como sócios. As parcerias com o setor privado encurtam distâncias e geram aprendizados necessários ema um Brasil que precisa diminuir com mais rapidez suas enormes desigualdades”, diz o CEO da Rede Integração, Rogério Nery de Siqueira Silva.

Nessa entrevista, Athayde fala sobre sua trajetória de vida e seus projetos, além de comentar a importância do combate ao racismo e a inclusão em espaços de poder.

1 – Rogério Nery Siqueira Silva – Você tem uma trajetória pessoal única: nasceu na Baixada Fluminense, morou em favelas, abrigos e até na rua. Foi camelô, produtor cultural e depois se tornou empresário. Quando você percebeu que sua vivência pessoal era seu maior ativo e como isso poderia transformar a vida de outras pessoas?

Celso Athayde – Bom, não acho que tenha havido um momento único, um estalo. Eu sempre fui um cara muito sonhador e inquieto, e, obviamente, com uma vontade insaciável de ajudar os meus irmãos. Costumo dizer que todo favelado é um empreendedor nato. Isso nasceu comigo, e essa minha inquietude me ajudou a construir a minha trajetória.

2 – Rogério Nery Siqueira Silva – Além de ser o fundador da Central Única de Favelas (CUFA), você criou uma holding social, a Favela Holding, que conta atualmente com mais de 20 empresas, que vão da área de logística (FavelaLog), uma agência de live marketing (InFavela), um instituto de pesquisa, o Data Favela entre outras. A Favela Holding tem contratos com grandes companhias como Ambev e Uber, por exemplo. Como surgiu a ideia da criação da holding e das empresas que compõem o grupo?

Celso Athayde – A inspiração da Favela Holding foi a própria CUFA. A instituição já era grande e renomada por tudo o que havia mobilizado com os seus projetos, como a Taça das Favelas, a Liga Internacional de Basquete de Rua (LIIBRA), o Hutuz Rap Festival, entre outros. Então por que não criar uma holding social, responsável por esses projetos darem lucro, e com isso, gerar mais oportunidades e empregos para moradores de favelas? Daí veio a Favela Holding.

3 – Rogério Nery Siqueira Silva – Estima-se que 13,6 milhões de brasileiros vivam em favelas e, de acordo com o Data Favela, instituto do qual você faz parte, essa parcela da população movimenta mais de R$ 119 bilhões da economia. É um grande mercado, mas ainda inexplorado por muitas empresas. Como fazer essa ponte entre a favela e as grandes companhias? E qual o conceito de favela que permite o atendimento pelo projeto? Um assentamento de terra, por exemplo, se enquadra nessa classificação?

Celso Athayde – Demonstrar diária e incansavelmente que a favela é território de potência. Com isso, mostrar para as grandes marcas que, ao investir em projetos nesses territórios, você vai gerar oportunidades para todos, contribuindo para o crescimento da sociedade. Para nós, favela é tudo aquilo que o IBGE classifica como “aglomerado subnormal”. Se um assentamento de terra for classificado como aglomerado subnormal, sim, ele pode ser chamado de favela.

4 – Rogério Nery Siqueira Silva – A mesma pesquisa mostra que um total de 39% dos moradores de favelas diz comprar pela internet, mas um terço não conseguia receber as compras em casa. O levantamento mostrou que os moradores de favela estavam dando mais importância para a qualidade, preço e marca, por exemplo. O que as empresas precisam desenvolver para atender esse mercado?

Celso Athayde – Criar ações nesses territórios, levando produtos de qualidade para lá. Porque o favelado gosta de coisa boa, de andar bem vestido… Seria de bom tom também criar campanhas de comunicação que façam com que o morador de favela e periferia se sinta representado pela marca.

Celso Athayde: Fundador da Central Única das Favela criou a primeira holding social do mundo, grupo que fez p parcerias com empresas como Natura, Rede Globo, Facebook, Light e Mastercard, entre outros. Foto: Divulgação /CUFA
Celso Athayde: Fundador da Central Única das Favela criou a primeira holding social do mundo, grupo que fez p parcerias com empresas como Natura, Rede Globo, Facebook, Light e Mastercard, entre outros. Foto: Divulgação /CUFA


5 – Rogério Nery Siqueira Silva – Você costuma dizer que a maior potência das favelas são as pessoas. Além disso, muitas das pessoas que vivem em favelas são consideradas empreendedoras natas, dado que, muitas vezes, precisam buscar alternativas para complementar a renda. Como transformar esse potencial e gerar mais oportunidades?

Celso Athayde – Buscando investimento, parceiros, e mostrando para a sociedade em geral que, com a favela bem, toda a sociedade vai estar bem!

6 – Rogério Nery Siqueira Silva – A Favela Holding já ocupa direta ou indiretamente mais de 18 mil pessoas e havia uma estimativa de faturamento de R$ 40 milhões em 2020. Quais são os planos para 2021? E de que modo esse projeto poderia ser replicado em outras cidades e favelas do Brasil?

Celso Athayde – O plano é sempre a expansão. Usar a nossa capilaridade para continuarmos permeando e gerando oportunidades no máximo possível de segmentos. E, sim, o nosso projeto pode ser replicado em outras cidades e favelas do Brasil. Aliás, tanto a CUFA como a Favela Holding estão em todo o território nacional.

7 – Rogério Nery Siqueira Silva – A pandemia da covid-19 atingiu com muita intensidade a população que mora em favelas. Uma pesquisa feita em setembro pelo Data Favela mostrou que 87% dos entrevistados conheciam alguém que teve covid-19 e 13% disseram que foram contaminados pelo novo coronavírus. Além disso, essa parcela da população precisou
sair de casa mesmo no período de quarentena, dada a necessidade de trabalhar. Diante deste cenário, e dos impactos econômicos da pandemia, a CUFA desenvolveu ações para ajudar essa população. Quais foram elas?

Celso Athayde – O CUFA Contra o Vírus levou alimentos e produtos de higiene para milhões de moradores de favelas. Além disso, o Mães da Favela deu uma bolsa para mulheres mães-solo, que chefiam os seus lares, em mais de 5 mil favelas brasileiras. Também tivemos uma ação chamada Mães da Favela On, que levou internet de graça para essas mulheres.

8 – Rogério Nery Siqueira Silva – A CUFA é uma organização reconhecida pelos projetos em diversas áreas como cultura e esporte e está presente não só no Brasil como também no exterior, em mais de 400 localidades. Em Minas Gerais, quais as ações da CUFA e quais os impactos positivos que elas já geraram para a população do Estado?

Celso Athayde – Mães da Favela e o CUFA Contra o Vírus são ações nacionais. Logo, impactaram milhares de pessoas em Minas Gerais. Também realizamos a Taça das Favelas anualmente no Estado e é sempre um sucesso.

9 – Rogério Nery Siqueira Silva – A discussão sobre a questão do racismo estrutural ganhou força no País nos últimos meses. Parte das pessoas que vivem em favelas são negras e vivencia essa forma de racismo. Algumas empresas estão criando alternativas, como é o caso do Magazine Luiza, que montou um programa de trainee específico para negros para aumentar a diversidade na empresa. Como você vê esse tipo de iniciativa? E como levar essa discussão para dentro das companhias?

Celso Athayde – Vejo da melhor forma possível. Se os pretos não forem incluídos nos espaços de poder, o racismo continuará acontecendo e gerando as suas sequelas para a sociedade. As companhias devem sempre estimular ações antirracistas com os seus funcionários e, se possível, promover palestras de grandes lideranças pretas, para chamar a atenção das pessoas sobre o quanto o racismo impede que a sociedade caminhe para frente.

10 – Rogério Nery Siqueira Silva – Você é um dos líderes da Frente Nacional Antirracista e vem mantendo uma agenda de reuniões com lideranças políticas, esportivas e empresariais. Quais as metas da Frente?

Celso Athayde – Nossa meta é bem clara: combater o racismo. Pautar a sociedade com ideias antirracistas nas mais diversas áreas, para que um dia a gente tenha uma sociedade igualitária que dê oportunidades para todos, com espaços de poder.



;

;

Tags: cufa, favelaholding
 Rogério Nery Rogério Nery
Rogério Nery

Rogério Nery é CEO do Grupo Integração, composto por TV Integração com cinco emissoras, abrangendo todo o Triângulo Mineiro, o Alto Paranaíba e a Zona da Mata, além do Campo das Vertentes, o Noroeste e o Centro-Oeste. Também fazem parte do Grupo Integração as empresas Imaginare Filmes, Rádio Cultura HD e AM, Rádio Regional, Hotel Presidente e Plamarc Uberlândia. Formado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Uberlândia, tem pós-Graduação em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas, Rogério Nery foi secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado de Minas Gerais no período entre abril e dezembro de 2014.

Leia também: Rogério Nery Entrevista: Larissa Oliveira, Nadadora