Faça login na sua conta!

Ainda não tem uma conta? Cadastre-se agora mesmo!

Mega Colunistas

Colunistas

Os tombos fazem parte do nosso aprendizado

Publicado em 11/11/2021 - 07:00 Por Priscilla Mundim
destaque
Créditos da imagem: Priscilla Mundim (feito no Canva)


Se você já perdeu dinheiro em algum momento da sua vida, hoje, com certeza, você já reconhece a importância de poupar um pouco ao longo dos dias, não é mesmo?

 Se você já ficou sem grana ou teve que procurar empréstimos caros para quitar despesas que saíram do controle, você precisa refletir o que te fez chegar nesta situação. O aprendizado surge a partir das experiências que a vida nos apresenta.

 Pense: "Como eu posso aprender com isso?"

 Ao longo dos meus 39 anos eu já passei por diferenças fases na minha vida financeira. Já levei alguns tombos e me desesperei. Aprendi e venho aprendendo cada vez mais com o tempo e com a experiência do dia a dia. Mas o que eu acho que fez a diferença foi o fato de eu nunca ter deixado de encarar o problema de frente. Eu nunca fugi.

 Na coluna de hoje, eu vou te contar três escorregões que já levei da vida.



 Eu fiz faculdade de Economia. Achava que tinha a obrigação de saber administrar minha vida financeira e tinha que dar contas de fazer toda a contabilidade da casa sozinha. 

 


Sim, pessoal. Eu aprendi da pior maneira possível que a graduação não é nada diante dos desafios que a gente enfrenta diariamente na administração do nosso dinheiro. A faculdade de Ciências Econômicas é totalmente teórica e a prática ficou para ser aprendida nos tombos da vida, literalmente. Apanhei muito. Fui cobrada e sou até hoje. A frase que mais escuto é: "uai, mas você não é economista?". Como se um economista fosse uma espécie de “sabe tudo” das finanças!!! Não! Não sou!


 



Errei também ao jogar todas as contas variáveis da casa para o cartão de crédito. Errei durante muito tempo em não detalhar a fatura no fim do mês.

 


Por falta de controle financeiro ou planejamento, muitas pessoas acabam consumindo mais do que podem e jogam a culpa no cartão de crédito. Foi com os tombos que eu percebi o quanto é importante entender como o nosso dinheiro saiu da conta. Você analisa o extrato detalhado do seu cartão também? Ou você foge dele? Cuidado!!! Todo mês eu analiso a fatura completa. Detalho todas as despesas em categorias como: supermercado, alimentação fora de casa, saúde, transporte, presentes, vestuário... e assim por diante. E estabeleço limites para o mês seguinte.


 


Durante muito tempo tive pensamentos sabotadores. Tinha vergonha de pedir desconto. Acreditava que era melhor morrer "pobre e empregada" que administrar meu próprio negócio. Tinha poucos e pequenos objetivos. E metas então? Nem sabia da existência delas.

 


Descobri que a liberdade financeira começa dentro da nossa cabeça. Primeiro é preciso mudar aquilo que a gente pensa, depois aquilo que a gente executa. Estou em um processo importante de vencer minhas crenças que tanto me limitaram até pouco tempo atrás. Estou perdendo a vergonha, estou me posicionando mais e colocando limites nas pessoas. Ah, sobre o desconto, eu já falo de cara: "e o desconto pra mim? De quanto vai ser?". Ou seja: afirmo que vou ter desconto. Jamais peço. Estou perdendo a vergonha e valorizando mais o meu dinheiro.

 

O importante é aprender com os erros e recomeçar. Levanta e vamos trabalhar!

 Contem comigo


Priscilla Mundim

jornalista e economista

@primundim



Tags: finanças, dinheiro, família, casa, filhos, administração da casa, gastos, receitas, rendimentos, Gestão de Casa, poupar, investir
 Priscilla Mundim Priscilla Mundim
Gestão De Casa

Tenho 39 anos, dois filhos, marido, uma casa, um telejornal e vários outros projetos na minha responsabilidade. Sou economista e jornalista de formação. Tenho também mestrado em Ciências Econômicas pela UFU e outros cursos de aprimoramento profissional na área de planejamento financeiro. Moro em Uberlândia, trabalho na TV Integração - afiliada Globo - há 13 anos e sou editora-chefe do MG2, o jornal das 19h. Sejam muito bem-vindos!

Leia também: Primeiro passo na organização financeira é o controle do seu orçamento