Faça login na sua conta!

Ainda não tem uma conta? Cadastre-se agora mesmo!

Mega Colunistas

Colunistas

Quanto rendem as suas aplicações financeiras?

Publicado em 09/02/2022 - 10:48 Por Fernando Agra
destaque
Créditos da imagem: Acervo de Fernando Agra.

          Caro leitor (internauta), você tem acompanhado a evolução dos rendimentos das suas aplicações financeiras nesses últimos 12 meses? Período em que a Selic (taxa básica de juros da economia) passou de 2% em para os atuais 10,75% ao ano.

Como é sabido, os rendimentos de todas as aplicações financeiras estão correlacionados com a Selic. Se você ainda tem dinheiro na Caderneta de Poupança (ao terminar de ler esse artigo você vai constatar que não vale a pena aplicar na Poupança), saiba que quando a Selic estiver abaixo de 8,5% ao ano, o rendimento dessa aplicação é de 70% da Selic mais a TR (Taxa Referencial, que se encontra zerada há alguns anos). Quando a Selic ultrapassa 8,5% ao ano, a metodologia de cálculo volta a ser o da antiga Caderneta de Poupança, que é de 0,5% ao mês, que capitalizadas a juros compostos, equivale a 6,17% ao ano (acrescida também da TR).

No caso dos CDB´s (Certificados de Depósitos Bancários), das LCI´s (Letras de Créditos Imobiliários) e da LCA´s (Letras de Créditos do Agronegócio) pós-fixadas (que acompanham as taxas de juros da economia), tais são remuneradas em um percentual do CDI (Certificado de Depósito Interbancário, que é quanto um banco cobra para emprestar dinheiro a outro banco, geralmente no final do expediente) que apresenta uma taxa muito próxima a Selic, geralmente 0,1 ponto percentual a menos. Atualmente o CDI está em 10,65% ao ano.

Em geral, temos encontrado, em vários bancos, CDB´s pós-fixados com liquidez diária (que podem ser resgatados a qualquer momento) que são remunerados em 100% do CDI, ou seja, rendem 10,65% ao ano. Vale ressaltar que esse rendimento é bruto e sofre a incidência de IOF (Imposto de Operações Financeiras) nos 30 primeiros dias após a realização da aplicação e de Imposto de Renda, que possui alíquota regressiva (até 180 dias após a aplicação, a alíquota é de 22,5% sobre o rendimento; de 181 a 360 dias, cai para 20%; de 361 a 720 dias passa para 17,5% e acima de 720 dias, a alíquota é de 15%). Com isso, o rendimento líquido do CDB vai depender do prazo que o seu dinheiro ficar aplicado, que atualmente varia de 8,25% até 9,05% ao ano. Há bancos digitais que oferecem esse tipo de CDB para aplicações financeiras a partir de R$ 20,00.

As LCI´s e LCA´s são isentas de imposto de renda e geralmente possuem uma carência para resgate (no mínimo 90 dias). Em alguns bancos digitais encontramos essas aplicações financeiras que podem ser feitas a partir de R$ 100,00 e com remuneração de 95% do CDI, o que equivale a 10,12% ao ano. Todas essas aplicações supracitadas possuem o mesmo grau de risco (que é baixo) e tais são protegidas pelo FGC (Fundo Garantidor de Créditos) em até R$ 250 mil por CPF (ou CNPJ), por conglomerado financeiro e essa proteção tem um limite de até R$ 1 milhão durante 4 anos. É importante acessar o site www.fgc.org.br e consultar no item “Instituições Associadas” se o banco escolhido faz parte do FGC. E quem tem montantes aplicados que ultrapassam os R$ 250 mil, é importante diversificar as aplicações em instituições financeiras de conglomerados diferentes. Para consultar os bancos que fazem parte de um mesmo conglomerado, acesse o seguinte link do Banco Central: https://www.bcb.gov.br/estabilidadefinanceira/encontreinstituicao .

Se você possui R$ 10 mil aplicados em Caderneta de Poupança receberá em torno R$ 617,00 de juros por ano. Se esse mesmo montante for aplicado no CDB pós-fixado que rende 100% do CDI, seus rendimentos anuais podem variar de R$ 825,38 até R$ 905,25, a depender do prazo que o dinheiro ficar aplicado, conforme expliquei acima. Note que o rendimento será sempre superior ao da Caderneta de Poupança e tem mais: no CDB, os rendimentos são diários, enquanto que na caderneta, o rendimento é mensal; e quanto mais a Selic subir, maior vai ser a rentabilidade do CDB em relação à caderneta. Então, não vale a pena aplicar na Caderneta de Poupança. Agora, se os seus R$ 10 mil estiverem aplicados numa em LCI´s e LCA´s que rendem 95% do CDI, você receberá R$ 1.012,00 de juros, ao ano. Lembro que escolhi apenas Caderneta de Poupança (a mais conhecida da maioria da população), CDB´s, LCI´s e LCA´s pós-fixadas para nossas análises, pois possuem baixo risco, análises simples para a escolha das mesmas e podemos poupar regularmente com poucos recursos financeiros para construirmos nossas reservas de oportunidades e de emergências para atendermos objetivos de curto e médio prazos. Lembro CDB´s, LCI´s e LCA´s possuem data de vencimento e se você tiver saldo nessa data, o mesmo é resgatado automaticamente para sua conta corrente e se você quiser, deverá realizar aplicar novamente. Para aplicações que possuem liquidez imediata ou uma carência pequena, eu sempre recomento escolher as que têm um prazo maior de vencimento, pois não precisamos fazer reaplicações frequentemente e no caso do CDB, pagaremos menos imposto de renda (que é tributado exclusivamente na fonte quando realizamos algum resgate e somente precisamos informar quando formos preencher a declaração de imposto de renda).

Em suma, é importante viver de acordo com o padrão de vida adequado, gastar menos do que se ganha, poupar regularmente e fazer boas escolhas no momento de selecionar as suas aplicações financeiras. Cuide muito bem do seu dinheiro, independente se você tiver pouco ou muito. E saiba que dinheiro é tempo, ou seja, se utilizamos bem o nosso dinheiro, utilizamos bem o nosso tempo de trabalho e de vida. Abraços e até o próximo artigo.

Tags: Caderneta de Poupança, CDB, LCI, LCA, aplicações financeiras, Selic, CDI, juros, risco.
 Fernando Agra Fernando Agra
Finanças Agradáveis

Fernando Antônio Agra Santos é palestrante e consultor nas áreas de Finanças Pessoais (Educação Financeira e Aplicações Financeiras). É Economista pela Universidade Federal de Alagoas e Economista da Universidade Federal de Juiz de Fora, Doutor em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa, Professor da Universidade Salgado de Oliveira, Professor Visitante dos MBA´s da UFJF (todas em Juiz de Fora - MG).

Leia também: Inversão de valores: o caso dos 10% da taxa de serviços cobrada nos restaurantes