Faça login na sua conta!

Ainda não tem uma conta? Cadastre-se agora mesmo!

Mega Colunistas

Colunistas

Como Se Forma Uma Mãe?

Publicado em 05/10/2020 - 18:03 Por Dra. Gabriela Lein - Artigo editado em 11/11/2020 - 13:52
destaque
Créditos da imagem: Internet- Gustav klimt- Madre con hijo

 No primeiro artigo sobre saúde mental e possibilidades, nada mais pertinente e justo que começar pelo início. Na maternidade, local de nascimento e  formação de todo "eu".


 Uma sugestão a quem está esperando um filho é não se ocupe em saber de teorias anteriores, não há preparo para ser mãe, para sorte dos filhos. Porém deseje, isso já é muito, vai por mim.

As minhas palavras aqui são para todas as mães , mas não é um check list de função. Talvez uma adversão da angústia 


 Primeiramente não há como se preparar para a maternidade, no sentido de controle. Você pode organizar a bolsa, o quarto, lavar as roupinhas, pedir uma ajuda na casa, a licença maternidade, apostar em alguém como pai afetuoso, mas não vai conseguir deixar tudo pronto. Irá faltar, ainda bem. 


 Por mais que tente tapar todos os buracos como aprendeu na sua homérica trajetória neurótica em recalcar, a maternidade irá expor. Abrirá uma fenda atemporal na sua história. Isso quer dizer que as questões da sua infância voltaram a galope. Acredito que aqui caiba a sensação de devastação dito por muitas mães. Pois tudo que foi construído pelo recalque, desmorona. Ao tentar segurar, não se olha para o novo sujeito que acabou de chegar. E está em construção , não em reforma. Inúmeras possibilidades podem ser destruídas na vida desta criança quando a função materna está adoecida.


 O único conselho que me atrevo sugerir a alguém na vida é faça terapia. Aqui repito ele!


 A maternidade é apenas uma parte de uma mulher. Assim como o trabalho e relacionamentos. Quando uma mulher se sente devastada pela maternidade será que não é hora de olhar para as outras partes? Será que esta mãe invadiu a ponto de adoecer a mulher? Não digo isso no sentido que uma mãe em tempo exclusivo será ruim para os filhos. Mas digo no âmbito do desejo. Uma mulher que deseje para além do seu filho, abrindo possibilidades da existência da função paterna, consequentemente investindo neste sujeito em ser para além dela. 


 Entendo assim amor com furo, maternidade real!

 Invente a sua, viva a que lhe é possível. 

 


 Ah, e lembre que toda super proteção é ausência de aposta no outro.

 Aposte na mãe que consegue ser

;

;

;

Tags:
 Dra. Gabriela Lein Dra. Gabriela Lein
Dra. Gabriela Lein

Gabriela Lein é médica atuante em psiquiatria, saúde de família e emergência. Atravessada pela psicanálise, há uma década atua em setor privado e público, realizando um exímio trabalho de investimento no indivíduo como cerne da vida. Visto esse modo atuante singular e impactante, promove saúde por onde passa, em âmbito nacional e internacional. Divulga seus questionamentos e inspira em suas redes sociais tanto no instagram quanto podcast, com base no conhecimento que tem do sofrimento humano real. Por aqui, semanalmente, acompanhem ela questionando o mundo em voz alta.

Leia também: Gaiola Invisível