Faça login na sua conta!

Ainda não tem uma conta? Cadastre-se agora mesmo!

Mega Colunistas

Colunistas

História e Direito: quilombolas no Alto Paranaíba, MG.

Publicado em 14/08/2021 - 09:42 Por Jeremias Brasileiro
destaque
Créditos da imagem: Thiago Carvalho

Esse texto sintético tem como objetivo trazer para o conhecimento público, a existência de pessoas quilombolas sem a posse da terra, mas que mantém uma longa trajetórias de saberes e fazeres. Nesse sentido, o sr. Enilson Rodrigues expõe a seguir como é que se trabalha com a produção de açafrão artesanal e finalizamos com a problematização sintética de como esse trabalho veio parar nas páginas de um livro. Com isso, temos como provocação inicial, o propósito de que os leitores acessem o livro completo, cujo link disponibilizamos no final.

O negro também tem a sua história na terra, onde na verdade falta espaço para ele produzir, para ele sobreviver. O nosso açafrão produzido na terra sem nenhum tipo de química, é cicatrizante, é bom para a saúde, a gente planta e busca o açafrão é de charrete, o pé de açafrão começa com suas folhas a amarelar no mês de abril, pegando uma cor diferenciada, onde o verde vivo vai desaparecendo. No início de maio, as folhas já estão bem mais amareladas, e já vai dando um sinal de dessecação dos gomos, ou seja, a umidade começar a sair” (Enilson Rodrigues).

É preciso acompanhamento constante para não perder o tempo que é muito curto entre o mês de junho a outubro para fazer a produção do açafrão. Se não começar nesse tempo, não consegue fazer a colheita completa. Quando a dessecação das folhas fica por completa, é o momento, ele já está no ponto da colheita, depois de uns oito a nove dias já podem então entrar na terra. Tem de ser feito antes uma análise da umidade, para saber com certeza o ponto da colheita, quanto mais seco, quanto mais amarelo estiver as folhas, com as folhas bem secas, é que chega o ponto da colheita” (Enilson Rodrigues).

 


Foi com a perspectiva de problematizar e refletir sobre as políticas públicas direcionadas às comunidades quilombolas de Patos de Minas e Serra do Salitre, no Alto Paranaíba-MG, que realizamos alguns Seminários de Formação Cultural Afro-brasileira, com foco nos grupos sociais congadeiros e quilombolas da respectiva região.

 

Com uma abordagem crítica, discutimos essas questões que envolvem, sobretudo os direitos das Comunidades Remanescentes do Quilombo do Ambrósio do Alto Paranaíba, Minas Gerais, seus aspectos constitucionais e do direito internacional, bem como noções de pertencimentos culturais tradicionais e as lutas de resistências dessas comunidades, tanto em relação ao reconhecimento e valorização de suas práticas socioculturais, quanto de socialização dos saberes a respeito de representações, identidades e relações etnicorraciais.

Como resultado das discussões desenvolvidas durante os seminários, foi elaborada uma carta propositiva que foi entregue ao Poder Público local (Patos de Minas) e ao Ministério Público Federal (Patos de Minas), na qualidade de responsável por defender os direitos sociais e individuais indisponíveis dos cidadãos, tutelados pela Constituição Federal de 1988.


Jeremias Brasileiro & Vanilda Santos

Organizadores

Tags: quilombos, história, direito, saberes artesanais
 Jeremias Brasileiro Jeremias Brasileiro
Crônicas e Ensaios das Gerais

Doutor em História Social pela Universidade federal de Uberlândia. É Comandante Geral da Festa da Congada da cidade de Uberlândia, no Triângulo Mineiro, desde o ano de 2005 e presidente da Irmandade do Reinado do Rosário de Rio Paranaíba, Alto Paranaíba, Minas Gerais, desde o ano de 2011. Desenvolve pesquisas sobre cultura afro-brasileira e sua diversidade nas Congadas de Minas Gerais, associando-as com o contexto educacional, em uma perspectiva epistemológica congadeira, de ancestralidade africana. Um intelectual afro-brasileiro reconhecido na obra de Eduardo de Oliveira: Quem é quem na negritude Brasileira (Ministério da Justiça, 1998), que lista biografias de 500 personalidades negras no Brasil; e na obra de Nei Lopes: Dicionário Literário afro-brasileiro (Rio de Janeiro: Editora Pallas, 2011). Detentor de um dos maiores acervos digitais sobre as Congadas de Minas Gerais, constituído desde a década de 1980, historiador com vasta experiência e produção cientifica sobre ritualidades, simbologias, coexistências culturais e religiosas em oposição ao conceito de sincretismo. Escritor, poeta, possui textos de dramaturgia, crônicas, literatura afro-brasileira.

Leia também: A in-solidariedade social e a solidão de estar só em tempos de pandemia