Faça login na sua conta!

Ainda não tem uma conta? Cadastre-se agora mesmo!

Mega Colunistas

Colunistas

Cuidados Na Alimentação De Pets Recolhidos Das Ruas

Publicado em 22/11/2020 - 22:39 Por Valeriana Medrado
destaque
Créditos da imagem: Pilgrimpassing/Pixabay
Apesar de ser considerado crime, muitos cães e gatos ainda são vítimas de violência e desamparo. No Brasil, a estimativa é que existam 30 milhões de pet abandonados pelas ruas, segundo a Organização Mundial da Saúde. 

 Embora o cenário ainda seja desfavorável para muitos deles, principalmente, por falta de lar, muitas pessoas e voluntários de ONGs acolhem esses pet. Na entrevista abaixo, a médica veterinária Letícia Tortola, dá algumas dicas sobre os cuidados na nutrição de animais retirados das ruas.

Por que adotar animais de rua?

A adoção de animais de rua é um ato louvável, porque além de contribuir para reduzir o número de animais vagando nas ruas, possibilita a esse animal cuidados que talvez nunca tenha recebido como: abrigo, alimentação correta, acompanhamento veterinário e, principalmente, muito carinho e amor.

Quais são as condições físicas desses animais?

Os animais de rua, normalmente, estão muito debilitados, imunodeficientes e com perda severa de massa muscular decorrentes da má nutrição que sofreram durante todo esse período. Além disso, podem possuir diversas carências nutricionais como: deficiência de proteínas, vitaminas e minerais.

O que podemos fazer para mudar essa situação de desnutrição?

Primeiro é preciso levar seu novo amigo para fazer um check-up com um médico veterinário para verificar seu estado de saúde realizando todos os exames necessários. Se os resultados estiverem normais, o veterinário irá proceder com a vermifugação, vacinação e talvez com a castração, evitando assim crias indesejadas e mais abandono. Importante: Não dê suplementos vitamínicos, minerais ou energéticos sem o consentimento do veterinário.

Qual é a quantidade de alimento indicada para esse animal que acabou de chegar da rua?

Quando um animal é recolhido das ruas, pensa-se logo em encher um pote de ração e oferecer ao animal para saciar sua fome. Mas esta prática não é recomendada. Lembre-se: o animal pode não estar acostumado a receber esse grande volume de alimento de uma única vez. O excesso no estômago pode causar principalmente vômitos. O ideal é oferecer alimento e água em pequenas porções ao longo do dia para não sobrecarregar o sistema digestivo.

Como escolher o alimento apropriado para o animal?

A ração ideal deve ser orientada pelo médico veterinário após a realização dos exames clínico e laboratoriais. O pet pode apresentar alguma doença específica que necessite de uma nutrição especial. Agora, se o animal estiver somente com desnutrição e sem nenhuma outra doença concomitante, o mais indicado é oferecer um alimento industrializado, de boa qualidade, como rações secas, enlatadas ou saches. 

Podemos oferecer comida humana para esse animal?

A ração deve ser o alimento fornecido por ser completo e balanceado. Esse produto contém todos os nutrientes que os animais necessitam. No caso dos animais desnutridos, o alimento deve conter alto conteúdo de proteínas e gorduras (extrato etéreo). É possível encontrar facilmente essas características em um alimento Super Premium, enlatados ou saches.

Qual a porção que devemos oferecer ao animal?

Na própria embalagem do produto há instruções de quantidade com base no peso do animal. Lembre-se que essa quantidade descrita é apenas uma orientação e variações individuais podem ocorrer. Consulte um veterinário. 

Como saber se o animal está com o estado físico correto?

É importante pesar o animal periodicamente. Se o animal estiver abaixo do peso ideal e continua não ganhando peso, a quantidade de alimento deve ser aumentada. Cães adultos devem receber pelo menos duas refeições diárias enquanto os filhotes, de três a quatro. Já para os gatos, é recomendado oferecer a quantidade total dividida ao longo do dia.

Essa recuperação é rápida?

Se o animal estiver abaixo do peso, a nutrição adequada propiciará aos poucos ganho de peso e, principalmente, massa muscular ao animal, que ficará cada vez mais ativo e saudável. É difícil estipular um tempo, mas a grande maioria tem uma recuperação rápida. Tudo vai depender principalmente de uma nutrição adequada, além de muito amor e carinho.

Para finalizar algumas recomendações para quem está pensando em adotar um animal?

Os animais, sem dúvida, proporcionam muito amor e alegria, mas precisam de cuidados, abrigo, banhos regulares, ração de boa qualidade, vacinas, além de cuidados veterinários e medicamentos quando necessários. Adotar um animal é uma ação louvável, mas exige disciplina, responsabilidade e comprometimento.

Tags: mundo pet, animais de estimação, pet, cachorro, cão, gato, aliementação, animais de rua, cães abandonados
 Valeriana Medrado Valeriana Medrado
Amigo Pet

Jornalista especialista em escrever sobre animais de estimação. Mãe da Maria Luísa e de mais cinco cães: Pimpão, Lana, Max, Puma e Rick.

Leia também: Cadela Dócil Srd Está Para Adoção Em Uberlândia